terça-feira, 25 de janeiro de 2011

O presente condena



Por décadas, a instituição do Club de Regatas Vasco da Gama teve sua imagem associada a Eurico Miranda - dirigente com ares de ditador e conhecido por artimanhas escusas que beneficiavam o clube. Após muitos anos (dois deles na expectativa da realização de eleições), a oposição conseguiu derrubá-lo do poder, e colocar Roberto Dinamite, maior ídolo da história do Vasco, na presidência.

Com Dinamite, o Vasco foi rebaixado para a Série B em 2008, passou por um ano de reconstrução em 2009, um ano insosso em 2010 e em 2011 começa o ano de maneira negativa. Em seus dois primeiros jogos no Estadual, a equipe perdeu para o Resende, por 1 a 0 em São Januário, e para o Nova Iguaçu, por 3 a 2 no Estádio Raulino de Oliveira. Feitos históricos para os adversários, pois nunca antes nestes confrontos o Vasco tinha saído derrotado. A consequência do mau desempenho em campo apareceu nas arquibancadas e chegou aos muros de São Januário, com ofensas a Felipe e Carlos Alberto (os jogadores de destaque do atual elenco) e o apelo "queremos time".

Mas, em meio a todas as pichações, pairou a pergunta: "Eurico afundou, o que mudou?". O que mudou é que, depois da caravela que naufragava em maremotos de escândalos, sujeitos a tempestades de acusações, a nau da Era Roberto Dinamite parece perdida, à deriva com tanto amadorismo em todas as áreas. Planejamento feito às pressas e aquém da grandeza do Vasco, poucas e precárias contratações, treinadores contratados em caráter emergencial e que chegam para comandar um elenco cheio de carências, um fraquíssimo e desorganizado departamento jurídico e departamento médico de qualidade duvidosa. Muitas coisas que aconteciam também na Era Eurico Miranda, mas que o atual presidente prometeu que deixariam de ter no Vasco da Gama.

Enquanto isto, o Vasco capenga nas primeiras rodadas do Campeonato Carioca e, a menos de uma semana do duelo com o grande rival Flamengo, não sabe se terá forças para ganhar do Boavista no meio de semana. Um panorama distante da "equipe forte que brigaria por títulos" prometida por Roberto Dinamite desde 2008.

A sensação é de que o Vasco andou para trás - em especial pela postura da atual diretoria, que tanto se isenta, culpando a má administração e os erros de Eurico Miranda - e vai regredir enquanto houver esta briga política no clube. Com tanta falta de disposição de seu elenco e com uma sucessão de jogadores limitados passando por São Januário, talvez o torcedor vascaíno tenha mesmo é de olhar para trás, pois assim tornará a encontrar motivos para sorrir.

Um comentário:

Tiago Cordeiro disse...

Opa, Vinícius...

Eu concordo que houve uma herança maldita. E acredito que ela é responsável por boa parte das coisas ruins que ocorreram nos últimos anos. Ponho a culpa do rebaixamento mais no Eurico do que no Dinamite.

Mas cedo ou tarde isso tem que ficar para trás. Lá se vão dois anos de gestão e não há a impressão que o time vem evoluindo. Após um 2010 digno, 2011 começa com expectativas bem pessimistas.

E não vai ser o Juninho que sozinho resolverá isso.