sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Em busca da solidariedade mineira





"O mineiro só é solidário no câncer". A frase que Nelson Rodrigues atribuiu ao escritor Otto Lara Resende vem sendo o pretexto para jogadores que não tiveram uma temporada no Botafogo procurarem novos ares para seu futebol. Após o atacante Jobson ser apresentado como reforço do Atlético Mineiro, o volante Leandro Guerreiro vai atuar em 2011 pelo Cruzeiro.

Dentre os dois ex-alvinegros, a contratação mais arriscada é a atleticana. Não se trata do receio de Jobson voltar a ter problema com drogas. O problema é a sequência de atos de indisciplina que o atacante apresentou durante a temporada de 2010, sob o comando de Joel Santana. Se a equipe do Atlético Mineiro já demorou tanto tempo para se entrosar no Campeonato Brasileiro do ano passado, a chegada de um jogador que semeou problemas internos em seu antigo clube pode levar o trabalho de Dorival Júnior novamente à estaca zero.

No caso de Leandro Guerreiro, o problema não é a falta de disciplina. Em sua passagem pelo Botafogo, o volante ficou estigmatizado por fazer parte de uma geração que "quase" ganhou títulos. Além da sequência de três decisões estaduais perdidas para o Flamengo, com Guerreiro o alvinegro carioca começava bem nas edições do Campeonato Brasileiro mas terminava distante das primeiras colocações. A superstição fica ainda mais adversa para o Cruzeiro pois seu atual técnico, Cuca, foi durante muito tempo comandante desta "geração botafoguense".

Não há dúvida que ambos têm qualidade para atuar em Atlético Mineiro e Cruzeiro. Além de atuar como volante, em algumas partidas Leandro Guerreiro é eficiente na zaga. Seu sobrenome faz jus à sua maior característica - o empenho para defender a camisa que veste. Jobson é um atacante veloz e, quando joga com seriedade, sabe ser decisivo - e poder de decisão é o que o time do Atlético precisa, para voltar a ter destaque no cenário nacional.

Por mais que o ano de 2010 tenha sendo infeliz para Leandro Guerreiro e Jobson no Botafogo, a solidariedade mineira pode trazer um bom recomeço para suas respectivas carreiras. Só que os dois precisam ter consciência de que as torcidas de Cruzeiro e Atlético são solidárias apenas enquanto a vibração e o respeito sobressaem no desempenho em campo. Em especial diante da grande rivalidade que cerca os dois grandes do futebol de Minas Gerais.

Um comentário:

Leonardo Resende disse...

Fala Vinicius,

O Jobson é um jogador de talentos, mas com uma bagagem negativa de fatores extra-campo que torna muito arriscada a contratação dele por qq clube do Brasil.

Espero que o Kalil de um jeito nele, pos gosto muito do seu futebol.

Já o Leandro Guerreiro, é um bom jogador, voluntarioso, mas acho que a torcida do Cruzeiro já está com uma pulga atrás da orelha. Quase ganhou o campeonato ano passado... e agora com a super dupla Cuca-Leandro Guerreiro devem estar sentindo frio na espinha os mais supersticiosos, rs!

Bom, aproveito para dizer que estou com um blog novo, o Futebol de Boteco.

Aposentei o Rio Futebol e estou linkando todos os blogs parceiros de lá, e o seu blog faz parte dele.

Podemos trocar links?

Fico no aguardo.

Abs,

Leonardo Resende
http://www.futeboldebotecofc.blogspot.com
leo.riofutebol@gmail.com