quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Análise de quarta - Tá ruim, mas tá bom



Jogo de hoje: Cerro Porteño (PAR) 2 x 1 Botafogo (Estádio General Pablo Rojas, em Assunção, Copa Sul-Americana)

Como não bastasse o desprezo das equipes brasileiras na fase de confrontos nacionais da Copa Sul-Americana, e parece que alguns clubes continuam jogando para cumprir tabela em um campeonato que deveria ter somente decisões. Foi assim com o Botafogo, que na partida de ida das quartas-de-final da competição, foi ao Estádio General Pablo Rojas, em Assunção, e saiu de lá com uma derrota por 2 a 1 para o Cerro Porteño.

Se os titulares botafoguenses já formam uma equipe limitada, a mescla com os reservas tornou o Botafogo ainda mais fraco para enfrentar o também fraquíssimo Cerro Porteño. Mas os paraguaios exerciam bem o papel de mandantes da partida, e alçavam muitas bolas na área alvinegra. Numa delas, um bate e rebate iniciado por Nanni (que estava impedido) e teve participação de Irrazabal achou Recalde livre para marcar, aos 33 minutos. Único bom momento em 45 minutos de futebol rasteiro.

A segunda etapa trouxe um jogo mais movimentado. Os alvinegros tiveram lampejos de bom futebol e Reinaldo, aos 12, empatou a partida (em mais um gol polêmico, pois a bola teria resvalado propositalmente no braço do camisa 7). O empate em 1 a 1 parecia o início de uma jornada heroica do mistão botafoguense, mas a expulsão de Léo Silva comprometeu a atuação do time na noite paraguaia.

Acuado e sem chance de conseguir reação, o Botafogo se preocupava em não perder, e o Cerro Porteño continuava criando jogadas perigosas. E a nove minutos do fim, mais uma vez um lance com Nanni se tornou polêmica desfavorável para o time carioca. O jogador foi puxado na área, e o árbitro, além de marcar pênalti, expulsou o zagueiro Emerson (que não tinha cartão amarelo). Nanni converteu a cobrança. Nos últimos minutos, o Cerro teve chances de ampliar a vantagem, mas novamente o goleiro Jefferson foi o melhor com a camisa alvinegra.

Um resultado que certamente não foi considerado totalmente negativo aos olhos de jogadores, treinador, dirigentes e até da torcida do Botafogo. Afinal, uma vitória simples dá a vaga ao time alvinegro, e desta vez a tendência é escalar mais jogadores titulares. Enquanto isto, a Copa Sul-Americana perde em qualidade e credibilidade, pois o estigma de tirar o pé do acelerador continua mesmo depois da fase inicial.

A derrota do Botafogo por 2 a 1 para o Cerro Porteño pareceu mais um "risco calculado" de Estevam Soares: alguns titulares foram poupados para o próximo confronto da equipe no Campeonato Brasileiro, o clássico diante do Flamengo no Engenhão. Com a surpreendente vitória por 2 a 0 do Santo André sobre o líder Palmeiras, momentaneamente os botafoguenses estão na zona de rebaixamento. A torcida do Botafogo espera que a derrota de hoje seja compensada com a vitória de domingo. Caso contrário, todos os cálculos da Sul-Americana terão sido desnecessários para seguir na corrida do Brasileirão. Copa Sul-Americana? Tá ruim, mas tá bom!

2 comentários:

Leonardo Resende disse...

De fato o resultado não foi de todo ruim. A virada do Alvinegro é possível, mas acho que é uma coisa triste ver time ir pra outro país, jogar com o time quase titular, voltar e comemorar que perdeu de pouco.

Por mais que tenha sido desgastante a viagem e o time adversário seja tradicional e razoávelmente forte, podemos constatar como hoje os times brasileiros, sobretudo os cariocas pensam pequeno...

vale a reflexão...

Visite também o Rio Futebol, se puder!

Grande abraço,

Leonardo Resende
Rio Futebol
http://riofutebol.blogspot.com
adm.riofutebol@gmail.com

Saulo disse...

Não foi tão ruim, mas a arbitragem ROUBOU feio do Botafogo como sempre, né.