sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Libertadores, o Brasil em busca de fazer a América



Objeto de cobiça de todo clube sul-americano, a Taça Libertadores da América chega à sua edição de número 50, mantendo o mesmo charme que cerca a seleta competição há tanto tempo. São as melhores equipes de toda a América do Sul (e três equipes mexicanas) duelando jogo a jogo para ver quem é o melhor time do continente.

Desde que começou a ter cinco vagas por edição, o Brasil destina o direito de disputar a Libertadores aos quatro primeiros colocados do Campeonato Brasileiro e ao campeão da Copa do Brasil do ano anterior. Entretanto, o quarto colocado do Brasileirão passa por uma fase denominada "Pré-Libertadores", na qual disputa a vaga na fase inicial do torneio em dois jogos com equipe de outro país. Para o PALMEIRAS, a competição começou mais cedo. No dia 28 de janeiro, o alviverde paulista teve uma estreia incontestável - 5 a 1 sobre o boliviano Real Potosí, em São Paulo. No segundo jogo, em 5 de fevereiro, nova vitória palmeirense em terras bolivianas: 2 a 0.

Com isto, a equipe foi credenciada para fazer parte do Grupo 1 da competição, e logo em seu primeiro jogo teve o maior adversário deste 2009. Coube ao Palmeiras estrear na fase classificatória da Libertadores contra o campeão da edição de 2008 - o equatoriano LDU, que na final derrubara o Fluminense, com uma vitória por 4 a 2 em Quito e mesmo depois de uma derrota por 3 a 1 no tempo normal, conseguiu a vitória nos pênaltis e o título da taça, pelo placar de 3 a 1. Vindo de uma série invicta de jogos no Campeonato Paulista, os palmeirenses decepcionaram sua torcida ao estrearem na "fase de grupos" com uma derrota por 3 a 2. O primeiro passo da tentativa de repetir o feito de dez anos antes (em 1999, o Palmeiras foi campeão da Taça Libertadores) não foi dos melhores.

No mesmo grupo do Palmeiras está outro brasileiro. Credenciado com a vaga depois do título da Copa do Brasil, o SPORT RECIFE voltou à competição 21 anos depois de sua única participação no torneio. Em 1988, o time pernambucano conseguiu sua vaga em meio ao imbróglio envolvendo o Clube dos 13 e a CBF. No ano de 1987, o Clube dos 13 realizou a Copa União independentemente da Confederação Brasileira de Futebol. Mas a entidade desportiva definiu que, após o final da competição, Flamengo e Internacional, respectivos campeão e o vice do Módulo Verde (equivalente à primeira divisão) deveriam disputar um quadrangular com Sport e Guarani, o campeão e o vice do Módulo Amarelo (segunda divisão da Copa União). Flamengo e Internacional se recusaram a fazer o quadrangular e, com isto, a CBF levou os dois melhores do Módulo Amarelo para a Libertadores de 1988.

Em seu primeiro jogo do torneio de 2009, o clube de Recife conseguiu um ótimo resultado: vitória por 2 a 1 sobre o chileno Colo-Colo, no Chile. É uma boa estreia para a equipe que pretende se igualar às "companheiras de jornada" nesta Libertadores. Dos cinco times brasileiros que estão no torneio este ano, somente ele nunca foi o melhor da América.

Maior campeão brasileiro (com o título do ano anterior, conseguiu chegar ao posto de hexacampeão do certame, sendo que seus últimos três foram consecutivos) e equipe brasileira com mais títulos sul-americanos (1992, 1993 e 2005), o SÃO PAULO volta à Libertadores como um dos grandes favoritos ao título. No entanto, sua estreia no Grupo 4 não foi das mais animadoras: um modesto empate em 1 a 1 com o colombiano Independiente de Medellín, no Morumbi.

Campeão em 1976 e 1997, o CRUZEIRO voltou à Libertadores por ter sido o terceiro colocado no Brasileirão de 2008. O time teve bom desempenho nas duas primeiras rodadas do Grupo 5. Na sua primeira partida, a equipe mineira venceu facilmente o argentino Estudiantes, no Mineirão, pelo placar de 3 a 0. No segundo jogo, o empate em 1 a 1 com o boliviano Universitario de Sucre acabou sendo um bom resultado, diante da violência que seus jogadores sofreram durante toda a partida.

Vice-campeão brasileiro no ano passado, o GRÊMIO tenta repetir os sucessos de 1983 e 1995 iniciando sua trajetória no Grupo 7. Assim como o campeão brasileiro São Paulo, sua estreia foi decepcionante. Além do empate sem gols contra o Universidad de Chile, o Olímpico assistiu a um festival de gols perdidos do time gaúcho - foram 13 oportunidades, ora neutralizadas por defesas do goleiro, ora por zagueiros tirarem a bola em cima da linha, ora pela trave.

São jogos curiosos como este que dão ainda mais charme à Taça Libertadores da América - marcada por partidas acirradíssimas, cercadas de catimba e de histórias - e fazem com que ela seja tão atrativa para os loucos por futebol quanto para os clubes (os prêmios são milionários e o título dá ao campeão o direito de disputar o Mundial Interclubes no final do ano). Um dado curioso: se o torneio acaba com uma equipe mexicana vencedora, o vice-campeão é automaticamente designado para representar a América no Mundial. O México é somente convidado do torneio sul-americano.

São Paulo, Grêmio, Cruzeiro, Palmeiras e Sport Recife são as armas brasileiras nesta batalha pela América do Sul. Os melhores do Brasil no ano passado são os times que em 2009 tentarão fazer a América e, quem sabe, levar o país ao topo do mundo.

3 comentários:

Conceição disse...

Olá amigo...

Muito bacana o texto que vc produziu. Vini, vc é the best! Te adoro forever!

Beijinhussss

Marcos Fontelles de Lima disse...

Faaale Vinícius,

Adorei o titulo e o texto. Com informações legais como o fato de um time mexicano for campeão, a vaga pro jogo em Yokohama será do vice... Ah!! tbm achei que desta vez, vc fugiu um pouco do linguajar tradicional, de comentaristas de futebol, e mesmo assim, sem perder uma linguagem futebolistica. Excelente!!

Vamos as criticas (hahaha): Quando vc diz: "Desde que começou a ter cinco vagas por edição, o Brasil destina o direito de disputar a Libertadores aos quatro primeiros colocados do Campeonato Brasileiro e ao campeão da Copa do Brasil do ano anterior." Vc esquece que teve um ano que o glorioso Paysandu jogou e disputou a Libertadores, classificando-se sendo campeão da Copa dos Campeões, numa final eletrizante diante do Cruzeiro de Minas. O Papão da curuzu foi eliminado da Libertadores nas semi-finais pelo Boca, time que foi campeão ao ganhar a labuta diante do Santos.

Quando vc diz: "Com isto, a equipe foi credenciada para fazer parte do Grupo 1 da competição, e logo em seu primeiro jogo teve o maior adversário deste 2009. Coube ao Palmeiras estrear na fase classificatória da Libertadores contra o campeão da edição de 2008 - o equatoriano LDU, que na final derrubara o Fluminense, com uma vitória por 4 a 2 em Quito e mesmo depois de uma derrota por 3 a 1 no tempo normal, conseguiu a vitória nos pênaltis e o título da taça, pelo placar de 3 a 1. Vindo de uma série invicta de jogos no Campeonato Paulista, os palmeirenses decepcionaram sua torcida ao estrearem na "fase de grupos" com uma derrota por 3 a 2. O primeiro passo da tentativa de repetir o feito de dez anos antes (em 1999, o Palmeiras foi campeão da Taça Libertadores) não foi dos melhores." Acho que vc foge um pouco do foco, ao comentar LONGAMENTE no MEIO do texto o que ocorrera com o Flu ano passado, depois volta a falar do Verdão. (Nesse comntário, eu posso estar falando bobagem!!!)

Quando vc diz: "Flamengo e Internacional se recusaram a fazer o quadrangular e, com isto, a CBF levou os dois melhores do Módulo Amarelo para a Libertadores de 1988." Vc poderia citar o outro time (além do Sport), pois fiquei curioso, não sei se foi o Bangu ou Guarani de Campinas... Ou será que foi outro time?

Excelente tbm a sua finalização.

Bem, vc pediu para ser bastante critico... hauahauhau

Grande "Há braços"

Marcos!

Vinícius Faustini disse...

Marcos,

pedi e acato todas as suas críticas. Realmente eu fui um pouco longo na parte sobre a LDU, mas a informação era tanta que acabou saindo deste jeito. Tentarei evitar prováveis erros como este.

Bem lembrado o que você falou sobre os times credenciados para a Libertadores. Mas o contexto do Paysandu era outro. Naquela época, o sistema do Brasileirão previa o "mata-mata", e a CBF ainda adequava aos pouquinhos a maneira como os times iam para o torneio sul-americano.

Houve uma época na qual tinha uma "Seletiva" para a Libertadores, no qual os times que iam sendo eliminados no Brasileirão iam tentar uma "repescagem" neste "certame improvisado". O Paysandu foi campeão da Copa dos Campeões, torneio no qual só equipes campeãs de seus respectivos estados disputavam. Ótima lembrança, ainda mais que eu me expressei mal, pois eu estava associando ao Brasileiro de pontos corridos.

Eu citei o vice-campeão do Módulo Amarelo na frase anterior à que você citou:

"Mas a entidade desportiva definiu que, após o final da competição, Flamengo e Internacional, respectivos campeão e o vice do Módulo Verde (equivalente à primeira divisão) deveriam disputar um quadrangular com Sport e Guarani, o campeão e o vice do Módulo Amarelo (segunda divisão da Copa União)".

Abraços, e mais uma vez obrigado pelo comentário.

Vinícius Faustini

www.otempoeoplacar.blogspot.com

www.diariodeumsalafrario.blogspot.com

www.emocoesrc.blogspot.com